Deputados somam 493 faltas sem justificativa em 2024; confira ranking

  • Bahia Notícias
  • 22 Jul 2024
  • 07:52h

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

No primeiro semestre deste ano, os deputados federais somaram 493 faltas sem justificativa às sessões deliberativas da Câmara dos Deputados.

Esse tipo de ausência às sessões deliberativas do Plenário pode acarretar desconto no salário do parlamentar. Além disso, a Constituição prevê que o deputado perderá o mandato se deixar de comparecer, sem justificativa, a um terço das sessões ordinárias de cada sessão legislativa.

O número levantado pelo Metrópoles, parceiro do Bahia Notícias, aponta que em comparação ao mesmo período do ano passado, houve queda de 2,6%, já que foram contabilizadas 506 faltas de fevereiro a julho de 2023.

No topo do ranking de faltas não abonadas, consta o deputado federal Chiquinho Brazão (Sem partido). Com 33 ausências, o parlamentar está preso desde março deste ano, no âmbito das investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

Em junho, o Supremo Tribunal Federal (STF) acatou denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) e tornou o deputado e mais quatro pessoas réus por envolvimento no crime. A cassação do mandato do parlamentar ainda é debatida no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados.

Veja a lista dos primeiros colocados no ranking de faltas não justificadas:

magem: Reprodução / Metrópoles

Vale destacar que o portal distingue faltas justificadas, como licenças médicas, das faltas não justificadas.

Nas sessões deliberativas, a presença dos parlamentares é aferida mediante registro eletrônico no início de cada sessão. Caso o sistema não esteja em uso, a verificação é feita por meio de listas de chamada nominal em Plenário.

Escritor americano Dennis Lehane expõe entranhas da mente racista em novo thriller

  • Por Ana Luisa Lellis | Folhapress
  • 21 Jul 2024
  • 14:20h

Foto: BYC Photography, LLC 2023

No verão escaldante de 1974, Boston está dividida por protestos violentos contra um decreto governamental que obriga a redistribuição e o transporte de alunos entre bairros de maioria branca e de maioria negra, na tentativa de integrar as escolas e promover a igualdade educacional. O thriller se passa em meio à resistência brutal contra o fim da segregação.

Assim como outros descendentes de irlandeses brancos, Mary Pat Fennesy é uma orgulhosa moradora de Southie, bairro majoritariamente habitado pela classe trabalhadora. Mesmo com dois empregos, não consegue manter as contas da casa em dia. Ela sobrevive com sua filha adolescente, Jules, entre latas de cerveja e bitucas de cigarros no conjunto habitacional Commonwealth, onde sempre morou.

Viúva do primeiro marido, divorciada do segundo e tendo perdido o filho mais velho por overdose, a filha é tudo que lhe resta. Até que uma tarde, Jules vai para uma festa e não volta.

Na mesma noite um jovem negro, Augustus Williamson, é encontrado morto nos trilhos do metrô em circunstâncias suspeitas na "parte branca da cidade". As tensões raciais e o silêncio da comunidade deixam evidente que os casos estão relacionados.

Movida a raiva e vingança, Mary Pat se torna uma pária quando começa a atrapalhar os negócios de Marty Butler, poderoso chefe da máfia irlandesa que controla a região. A protagonista não questionava nenhuma das tradições de Southie até o desaparecimento de sua filha. Agora excluída pelo grupo, ela passa a ouvir mais atentamente a uma "outra voz" interior que reproduz o racismo enraizado na comunidade.

Mary Pat insiste consigo mesma que não há preconceito, apenas a luta de classes alimentada por quem tem poder. "Gente pobre falando merda sobre gente pobre. Não tem nada a ver com raça. Eles querem que fiquemos brigando uns com os outros feito cães por qualquer resto de comida para que a gente não perceba que estão fugindo com o banquete."

Em uma entrevista de 2009, Lehane comenta que desde pequeno acreditava que toda luta racial era uma luta de classe. Mary Pat parece espelhar essa crença racista.

Mas o autor deixa evidente a consciência do preconceito por trás desse discurso quando a protagonista debate com um juiz imaginário o próprio racismo --ele expõe a hipocrisia que existe na diferença entre o que a protagonista acredita que pensa e o que ela não consegue admitir para si mesma que pensa.

É um livro corajoso na sinceridade com que retrata a mente preconceituosa --o racismo que não se anuncia como crença, mas que está lá enraizado e é transmitido de geração em geração.

 

Há apenas um exagero de violência gráfica tratada de forma banal e caricata, como um filme de ação pouco crível. No entanto, a notícia de que a Apple TV+ está desenvolvendo uma série dramática baseada no livro é promissora.

Lehane é um roteirista experiente com histórico de sucesso de bilheteria --seus livros deram origem a filmes como "Ilha do Medo", de Martin Scorsese, e "Sobre Meninos e Lobos", de Clint Eastwood-- e a adaptação para a TV tem potencial para explorar os temas complexos do romance e alcançar público mais amplo.

Acompanhar uma mãe de meia-idade guerreando com a máfia local para encontrar sua filha provoca certa satisfação, apesar da inverossimilhança e do sadismo que afastam o leitor da protagonista.

Em um mundo em que jovens negros ainda podem ser assassinados por estarem no lado errado da cidade, "Golpe de Misericórdia" é uma obra que entretém, mas não aprofunda as considerações que levanta sobre desigualdade e a interseção entre política, corrupção e drogas.

GOLPE DE MISERICÓRDIA

Preço: R$ 99,90 (368 págs.); R$ 44,90 (ebook)

Autoria: Dennis Lehane

Editora: Companhia das Letras

Tradução: Luiz A. de Araújo

Avaliação: *Bom*

CONTINUE LENDO

Acordo de cooperação técnica tratará de potencial econômico do mar baiano

  • Bahia Notícias
  • 21 Jul 2024
  • 12:34h

Porto de Ilhéus / Foto: Reprodução / Codeba

Um acordo de cooperação técnica com foco no potencial econômico marítimo da Bahia será assinado na próxima quarta-feira (24) na sede de Museu do Mar em Salvador. A inciativa é da Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) e da Fundação Aleixo Belov (FAB).

Pela parceria está previsto o lançamento do livro da Série Estudos e Pesquisas, intitulado “Potenciais da Economia do Mar”, além da criação do Atlas do Mar da Capital da Amazônia Azul. O evento é dirigido à imprensa, especialistas, gestores públicos e empresas privadas convidadas. A Série Estudos e Pesquisas (SEP) é uma publicação seriada da SEI e apresenta pesquisas e trabalhos de especialistas convidados.

A nova edição, dedicada à economia do mar, irá explorar as oportunidades e desafios deste setor estratégico para o desenvolvimento sustentável da Bahia. A cooperação com a Fundação Aleixo Belov, renomada pela pesquisa e a preservação do patrimônio marítimo, reforça a qualidade do conteúdo.

Segundo a SEI, o destaque deste acordo é a criação do Atlas do Mar da Capital da Amazônia Azul, um projeto inédito que visa mapear e documentar de forma abrangente os recursos marítimos do estado, começando pela Baía de Todos os Santos. O atlas será uma ferramenta para gestores públicos, pesquisadores e investidores, oferecendo informações detalhadas sobre as características geográficas, econômicas e ambientais da área marítima da Bahia.

A edição da Série Estudos e Pesquisas (SEP) sobre a economia do mar deve ser lançada no próximo semestre, enquanto os estudos para o Atlas da Economia do Mar devem ser concluídos nos próximos dois anos."Este acordo é um marco para a Bahia, pois alia conhecimento técnico e científico em prol do nosso maior patrimônio natural: o mar", afirmou o diretor-geral da SEI e Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental, José Acácio Ferreira.

Em 2020, a SEI publicou a revista Bahia Análise & Dados (BA&D) com o tema Economia do Mar, que disponível para download gratuito no site da instituição.

Apagão afetou cerca de 8,5 milhões de máquinas, estima Microsoft

  • Por Pedro S. Teixeira | Folhapress
  • 21 Jul 2024
  • 10:30h

Foto: Reprodução /Bahia Notícias

A Microsoft informou neste sábado (20) que cerca de 8,5 milhões de máquinas com sistema operacional Windows foram afetadas pela pane global da última sexta (19), segundo estimativa feita em parceria com a Amazon e o Google. Trata-se de menos de 1% do total dos dispositivos Windows do mundo, de acordo com a big tech.

O apagão foi causado por uma falha no antivírus da empresa de cibersegurança CrowdStrike, que presta serviços para a Microsoft.

Segundo a companhia, a atualização de seu software Falcon Sensor disparou um erro lógico em todos os dispositivos equipados com o Windows 7.11 ou versões superiores. A falha desencadeou simultaneamente a espiral de "tela azul da morte" --sinal de apagão no sistema-- que afetou sobretudo os países desenvolvidos.

A Microsoft afirma, em seu blog, que se reuniu com a CrowdStrike e com os outros dois principais provedores de nuvem americanos --Google Cloud Computing (GCP) e Amazon Web Services (AWS)-- para desenvolver uma solução escalável para a pane.

Até então, especialistas ouvidos pela Folha afirmam que a restauração para a versão anterior da plataforma Falcon teria de ser feita manualmente, ligando o Windows em modo de segurança e deletando os arquivos responsáveis pelo erro de processamento.

Para acessar o modo de segurança, é preciso ligar e desligar o computador três vezes em sequência, para então poder acessar as opções avançadas e restaurar o sistema. A Microsoft disse que o processo poderia demandar até 15 reinicializações de sistema, de acordo com a imprensa internacional.

Por isso, o restabelecimento total da normalidade dos sistemas de segurança pode levar dias ou até semanas, de acordo com profissionais de tecnologia.

Embora apenas uma pequena fração dos computadores do mundo tenha sido atingida, o apagão generalizado afetou também plataformas de nuvem, que atendem outras milhares de empresas, e outros pontos críticos da infraestrutura global, que têm grande impacto sobre a população.

A plataforma Falcon oferecida pela CrowdStrike era um produto de ponta, que buscava enfrentar ameaças cibernéticas descobertas no mesmo dia em que foram criadas --no jargão, chama-se esses novos riscos de "zero day". Isso era feito com inteligência artificial, vasculhando continuamente os sistemas em busca de brechas.

Esse serviço na fronteira da tecnologia, de acordo com o vice-presidente da Associação Brasileira de Internet, Jesaias Arruda, "chegava a custar dez vezes mais do que um antivírus convencional."

O alto preço do sistema restringe o acesso ao serviço do Falcon no Brasil e em outros países da América Latina. A presença da CrowdStrike é mais forte em empresas com operações grandes demais para ter seu serviço interrompido por um sequestro de sistema --os chamados ransomware.

Assim, a carteira de clientes da CrowdStrike incluía bancos, sistemas de grandes hospitais, empresas de aviação e, no exterior, emissoras de televisão. Eram cerca de 29 mil empresas, segundo o balanço da empresa.

No Brasil, as vítimas mais notórias da pane foram alguns bancos, como Bradesco, Neon e Next, a companhia aérea Azul, o Hospital das Clínicas de São Paulo e distribuidoras de energia. Todos são exemplos de atividades da chamada infraestrutura crítica.

Trata-se do principal alvo de cibercriminosos, porque crises cibernéticas nessas empresas geram alto impacto para o consumidor. Assim, os sequestradores de dados conseguem altos resgates rapidamente --mesmo que esse pagamento seja desaconselhável, de acordo com a pesquisadora de segurança informática da ESET Martina López.

No exterior, contudo, o impacto teve outra dimensão. Dos mais de 110 mil voos comerciais programados para a sexta, cerca de 5.000 foram cancelados em todo o mundo, de acordo com a empresa de análise do setor aéreo Cirium.

Nos Estados Unidos, as três principais companhias aéreas --American Airlines, Delta Airlines e United Airlines-- tiveram seus serviços interrompidos pelo apagão global. Com isso, aeroportos em todo o país ficaram lotados, durante a sexta.

A cena se repetiu em outros países da Europa, da Ásia e da Oceania. Na China, não houve impacto em função do bloqueio a plataformas americanas, o que inclui a CrowdStrike.

A ampla adoção do Falcon estaria relacionada com a principal estratégia para prevenção de cibercrimes: fechar brechas de segurança antes do sinistro, para aumentar o dispêndio de tempo e dinheiro de cibercriminosos com pesquisa, inviabilizando os ataques.

Bahia tem mais de 11 milhões de eleitores aptos a votar nas eleições municipais de outubro

  • Bahia Notícias
  • 21 Jul 2024
  • 08:27h

Foto: Antonio Augusto / TSE

Na Bahia, o eleitorado apto para comparecer às urnas nas eleições municipais de 2024 é de 11.283.507, conforme dados divulgados esta semana pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). De acordo com o Portal de Estatísticas do TSE, o número representa um aumento de 390.187 (3,5%) eleitores, em comparação às eleições de 2020, quando haviam sido registrados 10.893.320 eleitores. 

A Bahia permanece como o quarto maior colégio eleitoral do país, com 11,2 milhões de eleitores. Liderando o ranking está São Paulo, com 34.403.609 eleitores, seguido por Minas Gerais, com 16.469.155 eleitores e Rio de Janeiro, com 13.033.929 eleitores. 

A nível regional, Salvador ocupa o 1º lugar como o maior colégio eleitoral do estado, com 1.969.757 eleitores, seguido por Feira de Santana (426.887), Vitória da Conquista (257.784) e Camaçari (205.865). Por causa do número de eleitores aptos, essas quatro cidades estão habilitadas para realizar segundo turno. Para conferir o número de eleitores aptos nas demais cidades da Bahia, clique aqui. 

De acordo com o presidente do TRE-BA, desembargador Abelardo da Matta, os números refletem os esforços da Justiça Eleitoral para atender e bem servir os cidadãos baianos, habilitando-os ao exercício do voto, seja através do atendimento virtual, presencial ou ações itinerantes empreendidas pelo projeto “TRE-BA em Todo Lugar” e, igualmente, o desejo dos eleitores de escolherem os seus representantes, nas 417 cidades da Bahia, no dia 6 de outubro.  

“O Tribunal Regional Eleitoral da Bahia segue trabalhando com afinco para realizar eleições transparentes, céleres e seguras, a fim de possibilitar que os eleitores e eleitoras exerçam o direito de votar. A partir deste balanço divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral e seguindo o Calendário Eleitoral, teremos condições de seguir com novas etapas do processo eleitoral,  a citar a geração de mídias com os nomes dos eleitores e eleitoras, além de candidatos e candidatas que irão disputar as eleições deste ano”, disse o presidente. 

PERFIL

Das 11,2 milhões de pessoas aptas a votar na Bahia, 52,43% é do sexo feminino (5.915.845),  enquanto 47,57 % (5.367.598) é gênero masculino. O portal de estatísticas também divulgou o número de pessoas que vão utilizar nome social nessas eleições: 2.706.

De acordo com o perfil do eleitorado, 727.601 pessoas (6,45%) se declararam pardas, 283.567 (2,51%) pretas e 188.993 (1,68%) brancas. Nas eleições municipais, 15.363 eleitores (0,14%) se identificaram como quilombolas e 6.740 (0,06%) como indígenas.

JOVENS 

O voto é facultativo para os jovens de 16 e 17 anos. Em 2024, 193.327 jovens nesta faixa etária poderão comparecer às urnas, o que representa um aumento de 52% em relação ao total registrado nas eleições municipais de 2020, quando essa faixa etária somava 126.612 eleitores. 

A Justiça Eleitoral ressalta que os eleitores que têm 15 anos e realizaram o alistamento eleitoral, ou seja, a primeira via do título, só poderão votar se completarem 16 anos até o dia da eleição, 6 de outubro. 

NOME SOCIAL 

Nas eleições municipais de 2024, 2.706 pessoas solicitaram à Justiça Eleitoral o uso do nome social. Em relação a 2020, o número aumentou: naquela ocasião, apenas 600 pessoas haviam solicitado o nome social no título de eleitor. De acordo com os dados do TSE, 2.999 eleitores transgênero estão aptos a votar na Bahia na eleição de 2024.

Após apagão, Pacheco defende regulação de Inteligências Artificiais no Brasil

  • Bahia Notícias
  • 20 Jul 2024
  • 15:20h

Foto: Lula Marques / Agência Brasil

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), comentou nesta sexta-feira (19), sobre os impactos do apagão cibernético global que impactou sistemas operacionais de empresas e serviços de diversos países, incluindo companhias aéreas, bancos, hospitais e canais de mídia. A informação é da Agência Brasil.

"Causa-nos apreensão os efeitos do apagão cibernético que atingiu operações de transporte, saúde e bancárias em regiões do planeta e no Brasil. Que os responsáveis atuem de maneira célere e transparente para o restabelecimento dos serviços e, principalmente, da segurança adequada aos usuários. A conectividade contribui para a amplitude de serviços essenciais do cotidiano. Mas quando há uma falha, a reação em cadeia é prejudicial a milhares de pessoas.", afirmou Pacheco, em declaração oficial.

Segundo especialistas, o apagão teria sido gerado por uma falha na atualização de conteúdo relacionada ao sensor de segurança CrowdStrike Falcon, que serve para detectar possíveis invasões de hackers, e é utilizado por empresas como a Microsoft, proprietária do Windows. 

Ao redor do mundo, a falha afetou diversos países, incluindo companhias aéreas, bancos, hospitais e canais de mídia, foram atingidos. O Brasil também foi atingido, com falhas em aplicativos bancários e sistemas de hospital, mas em muito menos escala do que em outros continentes

Autor do projeto que regulamenta a inteligência artificial no Brasil (PL 2.338/2023), Pacheco pediu que o país aprove uma legislação para o setor. A própria empresa CrowdStrike, empresa responsável pela falha nos sistemas Windows, utiliza inteligência artificial no aperfeiçoamento dos seus serviços de segurança cibernética.   

"Esse ambiente nos alerta para os riscos da segurança cibernética, e nos lembra ser essencial a regulamentação da inteligência artificial, projeto de minha autoria, para que tenhamos um cenário mais claro, seguro e adequado em relação ao uso de ferramentas virtuais e seus efeitos práticos sobre a sociedade", acrescentou Pacheco.

'Taxa das blusinhas' será cobrada a partir de 27 de julho por Aliexpress e Shopee

  • Por Ana Paula Branco | Folhapress
  • 20 Jul 2024
  • 13:13h

Foto: Joédson Alves | Agência Brasil

Todas as compras de até US$ 50 feitas na Aliexpress e na Shopee a partir de 27 de julho serão tributadas pela taxação das remessas internacionais, a chamada "taxa das blusinhas".

O novo imposto, de 20%, começa a vigorar em 1º de agosto, mas como há defasagem entre a realização da compra e a emissão da DIR (Declaração de Importação de Remessa), que pode ser feita alguns dias após o pedido do consumidor, as compras feitas no final de julho já serão taxadas.

O AliExpress, que fechou recentemente parceria com o Magazine Luiza, afirma que clientes e parceiros serão comunicados nos canais oficiais da empresa sobre as próximas etapas.

A Shopee afirma que os valores serão calculados e detalhados na finalização da compra. "Para os usuários que comprarem dos mais de três milhões de vendedores brasileiros, não haverá mudanças", afirma, em nota.

A Shein diz que passará a aplicar o novo imposto nas compras realizadas a partir das 0h de 1º de agosto, mas alerta os consumidores sobre a tributação que pode ser aplicada nas aquisições feitas antes, que ficam dependentes da emissão da DIR.

"A situação prática é de que compras feitas até dois ou três dias antes dessa data poderão ser tributadas com o novo imposto de importação já que existe um intervalo entre o momento da compra e a declaração à Aduana", afirma a empresa.

Caso o consumidor faça uma compra no fim de julho sem recolher o imposto, mas a plataforma só registre a DIR após 1º de agosto, o destinatário pode precisar fazer o pagamento da taxa no Brasil para receber a encomenda.

Hoje, produtos de até US$ 50 vendidos em plataformas como Shein, Shopee, Temu e AliExpress já são taxados pelo ICMS, imposto estadual, com alíquotas que variam entre 17% e 19%. Mas eram isentas do Imposto de Importação, que é federal, e por isso conseguem vender itens a preços baixos.

O argumento para aprovar a taxação foi de que, atualmente, a isenção para compras internacionais cria uma distorção no mercado e prejudica a indústria nacional, que paga imposto.

Com a nova lei, a taxa de importação será de 20% para itens até US$ 50. Acima deste valor, a alíquota é de 60%, com um desconto de US$ 20 para compras até US$ 3.000. As regras valem para compras feitas em plataformas que aderiram ao Remessa Conforme.

Cálculos informados em comunicado do Aliexpress a qual a reportagem teve acesso mostram que uma remessa no valor de R$ 100 custa ao consumidor, hoje, R$ 120,48. Com a alíquota de 20%, sairá por R$ 144,58.

Para compras de produtos com valor entre US$ 50 e US$ 3.000, o informativo destaca que a dedução de US$ 20 sobre o valor de importação "torna o impacto do tributo proporcional ao valor da compra". Neste caso, um pedido de R$ 330 custa R$ 636,13 com os impostos. A partir do próximo dia 27, terá o valor total reduzido para R$ 503,61.

LINHA DO TEMPO DA 'TAXA DAS BLUSINHAS'

- 25.mar.22 - Receita Federal mira sites de compras estrangeiros

- 21.mai.22 - Bolsonaro nega MP para taxar compras por apps como Shopee e AliExpress

 

 15.mar.23 - Parlamentares pedem a Haddad fim de 'contrabando digital' por ecommerce chinês

- 3.abr.23 - Haddad prevê arrecadar até R$ 8 bi com tributação de 'contrabando digital' por ecommerce chinês

- 11.abr.23 - Governo mira empresas como Shein e Shopee e vai acabar com isenção de importações de até US$ 50

- 18.abr.23 - Governo recua e mantém isenção para compras internacionais entre pessoas físicas de até US$ 50

- 2.jun.23 - ICMS sobre compras em sites estrangeiros será de 17%, decidem estados

- 30.jun.23 - Governo cria regras para compras internacionais online de até US$ 50

- 27.jul.23 - Governo publica regras para compras de remessas de até US$ 50 do exterior

- 31.jul.23 - Shein e AliExpress vão aderir ao Remessa Conforme, que começa nesta terça (1º)

- 1º.ago.23 - Compras importadas de até US$ 50 sobem 20,4% no Remessa Conforme

- 11.ago.23 - Fazenda vai rever tributação para compras de até US$ 50, diz secretário-executivo

- 23.ago.23 - Compras internacionais declaradas sobem de 2% para 30%, diz Receita

- 1º.set.23 - Governo prevê imposto de no mínimo 20% para compras internacionais de até US$ 50

- 6.out.23 - Shopee começa a vender produtos internacionais de até US$ 50 pelo Remessa Conforme

- 29.nov.23 - Alckmin diz que taxar compras internacionais de até US$ 50 é 'próximo passo'

- 26.jan.24 - Governo vê queda em compras internacionais de até US$ 50 e analisa taxação com cautela

- 20.mar.24 - Governo envia para o Congresso projeto de lei que cria o programa Mover

- 6.mai.24 - Relator inclui fim de isenção para compras internacionais abaixo de US$ 50 no Mover

- 14.mai.24 - Relator do Mover ganha apoio por 'jabuti' que taxa compras internacionais abaixo de US$ 50

- 23.mai.24 - Lula fala em veto a taxação de compras até US$ 50, mas sinaliza negociar

- 28.mai.24 - Câmara aprova taxação de 20% para compras internacionais de até US$ 50

- 29.mai.24 - Pacheco adia votação sobre taxa para compras internacionais de até US$ 50 no Senado

- 4.jun.24 - Após relator retirar 'taxa das blusinhas', Senado adia votação do Mover

- 4.jun.24 - Lira ameaça não votar Mover após Senado excluir 'taxa das blusinhas' de texto

- 5.jun.24 - Senado aprova, sem contagem de votos, 'taxa das blusinhas' de 20%

CONTINUE LENDO

Após rumores, Neymar publica foto da terceira filha

  • Bahia Notícias
  • 20 Jul 2024
  • 11:31h

Foto: Reprodução / Redes sociais/Bahia Notícias

Após rumores de sobre um terceiro herdeiro, o jogador Neymar Jr. publicou, nesta sexta-feira (19), uma série de fotos registrando o nascimento de Helena, filha do jogador com a modelo Amanda Kimberlly. Com 2 semanas de vida, a bebê nasceu em São Paulo no dia 03 de julho e teve o parto acompanhado pela família. 

Nos registros, o jogador aparece na companhia de familiares, incluindo o primogênito, David Luca, no hospital junto a Kimberlly e Helena. Rafaella Santos, a irmã, e Nadine Gonçalves, a mãe, também aparecem na publicação. Apesar dos registros, Neymar ainda não confirmou oficialmente a paternidade. 

Além de Davi, Neymar também é pai de Mavie, de 9 meses, fruto da relação com Bruna Biancardi. Nas últimas semanas, uma suposta certidão de nascimento da Helena foi divulgada nas redes por amigos da modelo e no dia do nascimento de Helena, a irmã de atacante do Al Hilal colocou uma foto dos pés da criança e escreveu: “Dinda”.

Trump conversa com Zelenski por telefone e promete acabar com a Guerra da Ucrânia

  • Por Folhapress
  • 20 Jul 2024
  • 09:28h

Foto: Reprodução / Redes sociais/Bahia Notícias

O ex-presidente dos Estados Unidos e candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, disse nesta sexta-feira (19) que conversou por telefone com o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, e prometeu acabar com a guerra por meio de negociações entre Kiev e Moscou.

O republicano costuma atacar seu adversário, Joe Biden, dizendo que o russo Vladimir Putin nunca teria invadido a Ucrânia se ele, Trump, fosse presidente. O empresário fez uma publicação na rede social Truth afirmando que a conversa com Zelenski foi "muito boa" e prometeu, se eleito, acabar com a guerra antes mesmo de tomar posse em janeiro de 2025.

Zelenski também se pronunciou sobre a ligação, agradecendo mais uma vez pelo auxílio militar americano desde o início da guerra, mas sem mencionar negociações para encerrar o conflito. Republicanos alinhados à Trump no Congresso americano são contra o apoio de Washington a Kiev e foram responsáveis, por meio de obstruções no Legislativo, por um atraso de meses na entrega de novas armas e munições ao país invadido.

O presidente ucraniano disse que deu os parabéns a Trump por ter sido nomeado oficialmente candidato pelo Partido Republicano e condenou o atentado contra o ex-presidente no último sábado (13). "Desejei a ele força e segurança no futuro, e mencionei o apoio bipartidário do governo americano à nossa liberdade e independência", concluiu Zelenski.

Na sua publicação, Trump disse que, como presidente, ele vai "trazer paz ao mundo e acabar com a guerra que já custou tantas vidas". "Os dois lados vão poder sentar, conversar e negociar um acordo que vai pôr fim à violência e construir um caminho em direção à prosperidade", prosseguiu.

O candidato republicano não deixou claro que propostas pretende apresentar para encerrar o conflito. Entretanto, em uma entrevista à agência de notícias Reuters em 2023, disse que a Ucrânia pode ter que ceder território para chegar a um acordo de paz.

A possibilidade é rejeitada veementemente por Kiev, que dizem ainda não ser possível negociar com a Rússia enquanto tropas de Moscou estiverem em solo ucraniano.

Maduro fala em 'banho de sangue' se perder eleição; opositora denuncia suposto atentado

  • Por Folhapress
  • 19 Jul 2024
  • 18:18h

Foto: Reprodução / Instagram Nicolás Maduro

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou em um comício desta quarta-feira (17), a 11 dias das eleições presidenciais, que sua derrota nas urnas poderia desencadear uma guerra civil no país.
 

"O destino da Venezuela no século 21 depende da nossa vitória em 28 de julho. Se não querem que a Venezuela caia em um banho de sangue, em uma guerra civil fratricida, produto dos fascistas, vamos garantir o maior êxito, a maior vitória da história eleitoral do nosso povo", afirmou Maduro durante o ato em Caracas.
 

O líder do regime, que aparece em desvantagem nas pesquisas de opinião enquanto busca um terceiro mandato de seis anos, vem subindo o tom de seus discursos nos últimos dias. Na quinta-feira passada (11), ele já havia feito referência a uma guerra.
 

"Em 28 de julho se decide entre guerra ou paz, guarimba [tipo de protesto com barricadas usado pela oposição] ou tranquilidade, projeto de pátria ou colônia, democracia ou fascismo. Estão preparados? Estão preparadas? Eu estou preparado. Tenho amor pela Venezuela, tenho experiência, não tenho medo nem do demônio. Deus vem comigo", afirmou ele em um comício no estado de Aragua, no norte do país.
 

A última declaração ocorre no momento em que a tensão aumenta no país. Também nesta quarta, membros da oposição afirmaram que o chefe de segurança de María Corina Machado, mais vocal crítica do regime, foi preso a 11 dias das eleições presidenciais de 28 de julho.
 

"Foi sequestrado o chefe de segurança de María Corina Machado, Milciades Ávila", afirmou na rede social X o Vamos Venezuela, partido fundado por Machado. "Na madrugada de hoje, funcionários do regime entraram à força na casa onde ele se encontrava, violando todo o procedimento legal."
 

De acordo com opositores do regime, Ávila, um ex-policial que trabalhava com Machado há dez anos, é acusado de violência de gênero por tentar proteger a líder e o candidato que entrou na corrida em seu lugar, Edmundo González, após um comício.
 

"Seu suposto delito? Ter protegido María Corina e Edmundo em La Encrucijada de Cagua, Aragua, colocando-se à frente de uma deputada estadual e uma funcionária da Prefeitura de Mariño, sem tocá-las, que queriam agredi-los enquanto comiam sanduíches de pernil", afirmou Perkins Rocha, assessor legal da campanha.
 

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra um grupo de mulheres tentando confrontar González, Machado e sua equipe. O prefeito da cidade posteriormente homenageou as manifestantes, e o estabelecimento foi fechado, assim como vários outros que atenderam a líder da oposição.
 

"Aquele ato foi uma provocação planejada para nos deixar desprotegidos a 11 dias de 28 de julho", continuou Machado. "Faço um alerta ao mundo sobre a escalada de repressão de Maduro contra aqueles que trabalham na campanha ou nos ajudam em qualquer parte do país."
 

Na manhã desta quinta (18), a opositora voltou às redes sociais para denunciar uma suposta tentativa de atentado contra sua equipe em Barquisimeto, capital do estado de Lara. "Nossos carros foram vandalizados e cortaram a mangueira dos freios. Agentes do regime nos seguiram desde [o estado de] Portuguesa e rodearam a região onde pernoitamos."
 

Em um vídeo, Machado mostra dois carros com manchas de tinta e com escritos como "sem mais bloqueios", no que parece ser uma referência às sanções internacionais contra a Venezuela. Em um deles, esvaziaram o óleo do motor; no outro, cortaram a mangueira de freio, diz ela.
 

"É claramente um atentado à vida de quem utiliza esse veículo", diz ela. "A dez dias das eleições presidenciais de 28 de julho, poucas horas depois do sequestro do nosso chefe de segurança, Milciades Ávila."
 

A líder venceu as primárias da oposição em outubro, mas foi impedida por um tribunal de concorrer nas eleições por suposta fraude, o que ela nega. González, que aparece à frente de Maduro nas pesquisas de opinião, entrou na disputa após a primeira alternativa para substituir Machado, Corina Yoris, afirmar que ter sido impedida de se inscrever no sistema eleitoral.
 

Três dias antes da prisão de Ávila, a oposição denunciou outros nove detidos em quatro estados do país ligados a Machado.
 

Um porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos disse que Washington estava preocupado com a prisão de Ávila. "Prisões sem o devido processo vão contra o espírito do acordo da rota eleitoral de outubro de 2023", disse o funcionário, citando o documento assinado entre oposição e regime que ficou conhecido como Acordo de Barbados.
 

A ONG Foro Penal, dedicada à defesa de presos políticos, informou na terça-feira (16) que contabiliza 102 prisões ligadas à campanha da oposição. "Isso reflete um claro padrão de atuação contra ativistas, militantes ou mesmo colaboradores, pessoas que prestam serviços a essa opção política", disse o diretor da organização, Gonzalo Himiob.
 

Maduro, que busca um terceiro mandato de seis anos, frequentemente afirma que a oposição conspira para derrubá-lo. No início do mês, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela e vice-presidente de Hugo Chávez entre 2007 e 2008, Jorge Rodríguez, afirmou que prefeitos independentes que declararam apoio a Maduro foram ameaçados. "Mais uma vez, a direita quer semear violência no país", afirmou no X.
 

O Ministério da Comunicação da Venezuela e o Ministério Público não responderam imediatamente a pedidos de comentário da agência de notícias Reuters sobre a prisão de Ávila.

Cotado para secretário de Estado de Trump diz que relação com Bolsonaro não afetaria diálogo com Lula

  • Por Fernanda Perrin | Folhapress
  • 19 Jul 2024
  • 16:15h

Foto: Reprodução Youtube / PBS NewsHour

Richard Grenell, apontado como uma possível escolha para secretário de Estado em um eventual governo Donald Trump, afirmou que a política externa do republicano será exatamente o que foi no primeiro mandato. "Donald Trump é quem determina as políticas. Ele quer que as economias cresçam e que os conflitos cessem. Esta é a premissa", disse.

Questionado pela Folha sobre como seria a relação do republicano com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), considerando a proximidade dele com a família Bolsonaro, Grenell respondeu que Trump "vai lidar com o mundo como ele é" e que não vai "tentar fazer mudanças de regimes" em outros países.

Em seguida, o cotado para chefiar a diplomacia dos Estado Unidos fez uma defesa da pluralidade e acusou os democratas de "esmagarem a dissidência" ao caracterizá-la como desinformação. "Donald Trump vai lidar com quem quer que esteja no cargo, e vamos falar com eles", declarou.

A reportagem também perguntou que avaliação ele faz da atual relação entre Brasil e EUA em áreas como energia limpa e direitos trabalhistas. Sem se referir diretamente a esses temas, Grenell disse que Trump falará com "cada líder para entender como será essa relação" e que vai apresentar as políticas que tornem os EUA mais fortes.

Pouco antes, ele havia feito uma defesa da exploração de petróleo em território americano e criticado a importação do produto de países como Venezuela e Irã. "Nós temos leis mais seguras, melhores leis trabalhistas, ambientais. Nós deveríamos poder explorar nossos recursos e usá-los para o nosso povo. Isso é uma grande questão na Pensilvânia", afirmou, em referência ao estado-pêndulo em que a disputa com Joe Biden está acirrada.

Grenell foi embaixador na Alemanha, diretor interino de inteligência nacional e enviado especial para a região dos Bálcãs durante o governo Trump. Nesta quinta (18), ele falou com jornalistas da imprensa estrangeira durante a convenção republicana, que ocorre em Milwaukee (Wisconsin).

O diplomata também ecoou as críticas feitas à Otan por Trump, que acusa os aliados europeus de não contribuírem financeiramente com a organização como deveriam.

"Eu sei exatamente o que os europeus querem. Eles querem o benefício da responsabilidade compartilhada e da proteção compartilhada e querem nos ridicularizar por dizer: 'Espere um minuto, é melhor vocês pagarem a sua parte justa'", afirmou.

"Trump vai fortalecer a Otan trazendo mais dinheiro para a Otan. Eu argumentaria que a pessoa que tenta reformar uma entidade e lhe dar mais dinheiro é a pessoa que mais se importa com ela", afirmou.

Grenell também disse que nenhum novo membro deve ser admitido na entidade enquanto os atuais não cumprirem suas obrigações.

Em relação à Guerra da Ucrânia, elogiou os acordos de Minsk 1 e Minsk 2, assinados em 2014 e 2015, que estabeleciam um cessar-fogo nunca respeitado pelas partes -estima-se que 14 mil pessoas tenham morrido na guerra civil-- e uma saída para reintegrar à Ucrânia as regiões separatistas, outro ponto jamais implementado.

Ele atribui o fracasso dos acordos ao fato de ninguém ter acompanhado as respostas dos russos aos planos. " Talvez os russos nunca quisessem realmente implementar o acordo. E eles apenas o assinaram. E [Barack] Obama e [Angela] Merkel foram enganados. Eu não sei. Mas direi que acho que há elementos ali que podemos construir", afirmou.

Apesar do tom amigável, Grenell fez diversas críticas à imprensa, que acusou de ser democrata. Ao ser questionado sobre o Projeto 2025, plataforma conservadora construída por diversos nomes ligados a Trump, disse que repórteres "precisam relaxar sobre isso" e que a "imprensa fica parecendo ridícula" por tratar do plano.

"Sabe o que parece para mim? Parece que há uma pessoa que decide qual é o problema, e todos vocês são como ovelhas", disse. "Sim, há algumas pessoas que são conservadoras e que trabalharam na administração que estão dando ideias ali. É uma coisa de ONG externa", afirmou, chamando em seguida o Projeto 2025 de "estúpido".

Questionado se gostaria de se tornar secretário de Estado, ele desconversou e disse que "está completamente focado na eleição", mas declarou que fará qualquer coisa que Trump lhe peça. "Minha preferência seria fazer isso de Manhattan Beach, Califórnia", onde mora, disse, rindo.

Na Bahia, Bolsa Família chega a 2,4 milhões de lares a partir desta quinta

  • Bahia Notícias
  • 19 Jul 2024
  • 14:12h

Foto: Lyon Santos/MDS

O cronograma de pagamento do Bolsa Família em julho tem início nesta quinta-feira (18), em todo o país. Nos 417 municípios da Bahia, 2,4 milhões de famílias serão contempladas a partir de um investimento de R$ 1,6 bilhão do programa de transferência de renda do Governo Federal. O valor médio do benefício no estado em julho é de R$ 672,56. Os repasses são escalonados de acordo com o final do Número de Identificação Social (NIS) dos beneficiários e seguem até o dia 31. 

 

Dentro dos valores adicionais previstos no Bolsa Família, a Bahia tem 901,8 mil crianças de zero a seis anos contempladas com o Benefício Primeira Infância, que representa R$ 150 a mais para cada criança dessa faixa etária presente na composição familiar. O investimento federal é de R$ 129,3 milhões.

Ilustração: Secretaria de Comunicação da Presidência da República

Outros benefícios complementares, todos no valor suplementar de R$ 50, chegam a 1,6 milhão de crianças e jovens entre sete e 18 anos, além de 110,4 mil gestantes e 44 mil mulheres em fase de amamentação no estado. Os pagamentos desses benefícios somam R$ 82,39 milhões.

A capital, Salvador, permanece em julho com o maior número de famílias beneficiárias na Bahia. São 293,1 mil, a partir de um investimento de R$ 192,5 milhões e valor médio de repasse de R$ 657,15. Na sequência dos cinco municípios baianos com maior número de contemplados no mês aparecem Feira de Santana (77,4 mil), Vitória da Conquista (50,4 mil), Camaçari (45 mil) e Juazeiro (38,5 mil).

O município de Caldeirão Grande, com 3.587 famílias atendidas pelo Bolsa Família, registra neste mês o maior valor médio pago pelo programa na Bahia: R$ 731,05. Na sequência aparecem Sítio do Mato (R$ 730,68), Prado (R$ 724,97), Barra (R$ 723,18) e Conde (R$ 721,88). 

ESTADOS 

Na divisão por estados, São Paulo concentra o maior número de beneficiários em julho. São 2,53 milhões de contemplados, a partir de um investimento de R$ 1,7 bilhão e repasse médio de R$ 674,77. Na sequência aparece a Bahia, com 2,46 milhões de beneficiários. Há outros seis estados com mais de um milhão de famílias contempladas: Rio de Janeiro (1,68 milhão), Minas Gerais (1,6 milhão), Pernambuco (1,57 milhão), Ceará (1,46 milhão), Pará (1,35 milhão) e Maranhão (1,22 milhão). 

Saúde anuncia mais R$ 147 milhões para hospitais filantrópicos no RS

  • Por Raquel Lopes | Folhapress
  • 19 Jul 2024
  • 12:10h

Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

O Ministério da Saúde anunciou nesta quinta-feira (18) o repasse de R$ 143,7 milhões para os hospitais filantrópicos do Rio Grande do Sul.

De acordo com a pasta, o repasse atenderá os 217 estabelecimentos privados sem fins lucrativos, o que representa 62% do total de hospitais que atendem o SUS (Sistema Único de Saúde) no estado.

Com esse repasse, o governo totaliza R$ 277 milhões destinados a essas instituições. No mês passado, 68 unidades já haviam recebido R$ 133,6 milhões para o enfrentamento de calamidades e emergências de saúde pública.

O valor será disponibilizado em parcela única e poderá ser utilizado em ações de atenção especializada ambulatorial e hospitalar, além da aquisição de suprimentos, insumos e produtos hospitalares.

A liberação do recurso atende a uma demanda da Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes, Religiosos e Filantrópicos do Rio Grande do Sul.

Outra parcela está prevista para o setor que aderir ao Programa Mais Acesso a Especialistas.

Mais de 400 cidades do estado gaúcho foram afetadas pelas enchentes que tiveram início no fim de abril.

A capital gaúcha foi invadida pelas águas do lago Guaíba deixando algumas das principais vias do centro histórico submersas, desalojou moradores e afetou serviços públicos.

O município decretou estado de calamidade pública após a cheia histórica do Guaíba que atingiu 5,3 metros, o maior nível em sua história.

Léo Pereira proíbe mudança de filhos para Espanha, diz colunista

  • Bahia Notícias
  • 19 Jul 2024
  • 10:07h

Foto: Reprodução / Redes sociais/Bahia Notícias

Após Éder Militão entrar na Justiça com pedido de guarda de sua filha, Léo Pereira, atual namorado de Karoline Lima, não autorizou a viagem dos dois filhos para Madri, na Espanha. A ex do jogador do Flamengo e atual companheira de Militão, Tainá Castro, pretende acompanhar o zagueiro fora do país. 


A informação foi divulgada pelo colunista Lucas Pasin, do UOL. Segundo Pasin, Tainá pretendia levar Helena, de 4 anos, e Matteo, de 3, para viverem na Espanha junto ao zagueiro do Real Madrid. Entretanto, Léo Pereira, o pai das crianças, teria mandado uma mensagem avisando que seus filhos não se submeteriam aos “caprichos” da mãe. 


Ainda conforme o colunista, Léo Pereira alega que Tainá não possui ocupação alguma e que poderia viajar sempre que quisesse ver os filhos. Por meio de sua assessoria, o jogador disse que “não irá se posicionar sobre nenhum assunto extracampo”. 


GUARDA UNILATERAL DE CECÍLIA


Na última quarta-feira (17), a influenciadora digital e ex-namorada de Éder Militão confirmou um processo movido pelo zagueiro para adquirir a guarda unilateral da filha Cecília, de 2 anos. Segundo a equipe de Karoline, Éder entrou na Justiça com alegações infundadas de alienação parental. 

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

  • Bahia Notícias
  • 19 Jul 2024
  • 08:05h

Foto: Ricardo Stuckert / PR

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou, nesta quarta-feira (17), decreto que cria o Sistema Nacional de Cadastro da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (SisTEA). A medida deve facilitar e padronizar a emissão da carteira nacional de identificação dessa população.

O sistema informatizado é gerido pelo Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDH) e operacionalizado em conjunto com órgãos estaduais e municipais. A assinatura ocorreu durante o encerramento da 5ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, em Brasília. As informações são da Agência Brasil. 

“Eu sei quem é que precisa de políticas públicas do Estado, que é o povo mais carente desse país, que é o povo mais pobre desse país, que são milhões de brasileiros, dentre eles as pessoas com deficiência. Vocês sentem na pele aquilo que a gente, muitas vezes, só vê em filme: o desrespeito, a falta de carinho, de solidariedade, de compreensão, o nojo”, disse Lula.

“Vocês dão um exemplo de dedicação, abnegação e de muita resiliência. Só vocês é que podem dar o exemplo de que o ser humano não tem limite. O ser humano consegue aquilo que quer, é só ele ter vontade”, acrescentou, defendendo que os participantes da conferência façam as críticas necessárias aos governantes e fiscalizem a implementação das políticas públicas.

Durante o evento, o MDH e o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome também assinaram acordo de cooperação no âmbito da Política Nacional do Cuidado e do Plano Nacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência. O objetivo é desenvolver ações intersetoriais em resposta às demandas de pessoas com deficiência, considerando a interseccionalidade de gênero, classe, raça, etnia, idade e território e a interdependência entre quem cuida e quem demanda cuidados.

Ainda foi assinada portaria interministerial, entre o MDH e o Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI), sobre procedimentos para adaptações de acessibilidade nos edifícios públicos federais.

CAPACITISMO 

Também foi entregue o relatório final do Grupo de Trabalho sobre a Avaliação Biopsicossocial Unificada da Deficiência, que trata da implementação dessa avaliação no país. O objetivo do governo é propor uma metodologia de avaliação da deficiência que vá além do modelo médico tradicional, reconhecendo a deficiência como uma interação complexa de fatores biológicos, psicológicos e sociais.